quarta-feira, 5 de novembro de 2014

O Corneteiro de D. Afonso Henriques


Nos primeiros tempos da fundação da nacionalidade - tempo do nosso rei D. Afonso Henriques - no fim de uma batalha o exército vencedor tinha direito ao saque sobre os vencidos.
(Saque - s. m. : acto de saquear. Roubo público legitimado).


Pois bem, após uma dessas batalhas, ganha pelo 1º Rei de Portugal, o seu corneteiro lá tocou para dar "início ao saque" a que as tropas tinham direito e que só terminaria quando o mesmo corneteiro desse o toque para pôr “fim ao saque”.

Mas, fruto de alguma maleita ou ferimento, o dito corneteiro finou-se, antes de conseguir tocar o "fim ao saque".

E, até hoje, ninguém voltou a tocar, anunciando o fim do saque.


Afinal a culpa é mesmo do corneteiro!...

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

A verdade sobre o vírus Ébola - O embuste


MANUEL PINTO COELHO
Médico, doutorado em Ciências da Educação

Tem tanto de extraordinária como de caricata a histeria que vai por esse mundo por causa da “catástrofe” provocada pelo vírus Ébola.

A imprensa internacional fala de 1229 mortos entre Março e Agosto de 2014. Ora bem, se consultarmos a página da OMS sobre este assunto, veremos que na realidade foram 788 os casos de óbito formalmente identificados como causados pelo vírus Ébola, um número bem inferior aos 1,2 milhões de mortes causadas pela malária (paludismo). O número remanescente limitou-se a traduzir os casos “suspeitos” ou “prováveis”.

As imagens televisivas com que fomos recentemente presenteados, mostrando-nos técnicos de saúde, quais marcianos envergando complexas máscaras junto de doentes suspeitos, são totalmente insensatas e dignas de um mau filme de ficção científica.

É importante saber-se que o vírus Ébola não se transmite com facilidade. Para haver transmissão do vírus, tal como acontece com o vírus da SIDA - o VIH - é necessário um contacto direto com um líquido biológico do doente, como o sangue, as fezes ou o vómito.

O vírus Ébola é sobretudo perigoso quando mal acompanhado. Como os doentes infetados morrem de desidratação ou de hemorragias, então o tratamento consiste logicamente na hidratação e/ou transfusão sanguínea, e não na administração de uma qualquer vacina ou hipotético medicamento.

Como a solução contra a epidemia consiste essencialmente em respeitar medidas simples usando o bom senso - higiene, boa nutrição, vitaminas C e D nas doses adequadas -, a verdadeira prioridade nos países tocados pelo flagelo, deveria ser criar infra-estruturas médicas de forma a fornecer aos doentes os cuidados médicos de base.

Seria bom que se soubesse que não há qualquer transmissão por via aérea, ou seja, quando uma pessoa fala ou tosse, não vai espalhar o vírus pelo espaço aéreo circundante.

Assim sendo, ao contrário da ideia com que se fica pela leitura da imprensa, não existe qualquer razão para recear que o vírus Ébola se possa transformar numa pandemia à escala mundial.



Semear o pânico pode ser um negócio muito lucrativo que importa desmontar. Veja-se o que se passou ainda recentemente (2005) com a “pandemia eminente” da “gripe das aves”. Através da sábia manipulação da opinião pública, a consequência foi uma totalmente desnecessária vacinação em massa da população com o consequente enriquecimento de alguma indústria farmacêutica por um lado, e esvaimento dos cofres públicos em muitos milhares de euros em vacinas usadas e… não usadas, por outro. O antiviral “milagre” Tamiflu limitou-se tão-só a reduzir a duração dos sintomas em menos de um dia, sem conseguir limitar minimamente as hospitalizações.

Os títulos sensacionalistas martelados por alguma imprensa nas últimas semanas não fazem qualquer sentido. Importa que não nos deixemos submergir pela informação viciada e pela mentira. A reação totalmente excessiva face a este problema corre o risco de provocar uma catástrofe humanitária de dimensões bem superiores à provocada pelo próprio vírus Ébola. A medida tomada recentemente pelo governo da Serra Leoa, que interditou o albergue e os cuidados dados a estes doentes – única forma de os salvar -, mimoseando com a pena de dois anos de prisão os seus infractores, bem como uma outra tomada pelo governo da Libéria, ordenando aos soldados que atirassem a matar sobre as pessoas que procurassem passar a fronteira como forma de impedir a propagação da epidemia, é inacreditável. O mito dum passageiro africano infetado pela doença, no avião, que poderia infetar o país europeu onde desembarcasse é da mesma forma totalmente irrealista e traduz uma total ignorância sobre a realidade do vírus Ébola. À semelhança do que se passou com a “gripe das aves” importa não enviar camiões de vacinas ou medicamentos para África ou para onde quer que seja. Tal servirá unicamente para enriquecer alguns laboratórios farmacêuticos.

A psicose informativa vigente, reprimindo as populações e isolando dezenas de milhares de infelizes criaturas, homens, mulheres e crianças, postos em quarentena na Libéria com medo dum contágio que nunca acontecerá se não houver contacto direto com os líquidos orgânicos do portador da doença, tem de ser urgentemente desmontado e desmascarado.

Não podemos aceitar a reedição dum negócio das arábias à custa da boa fé ingénua e da desinformação do incauto cidadão

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Dúvida pertinente acerca da SIDA

Não sou médico nem técnico de saúde, pelo que a dúvida que aqui exponho é a de um leigo na matéria.

Conforme é do conhecimento geral e como se pode ver no vídeo abaixo, há varias formas de contaminação pelo vírus da Sida (Síndroma da imunodeficiência adquirida), sendo uma das mais comuns o contacto com sangue infectado, nomeadamente através de seringas, entre outras.




Desde sempre que os técnicos na matéria afirmam, de forma peremptória, que o vírus não se transmite através do mosquito. E aqui surge a minha dúvida: se um mosquito tiver "sugado" sangue a alguém infectado, sangue esse que é armazenado no seu abdómen e, de seguida, enterrar a sua "agulha (probóscide)" noutra pessoa o vírus não se transmite....porquê? Afinal é uma agulha minúscula mas, ainda assim, uma agulha, oca, e certamente com restos de sangue contaminado.

Atente-se no vídeo seguinte, onde se pode ver a "agulha" do mosquito em acção, bem como o armazenamento do sangue no corpo do insecto.

Afinal qual a explicação para a afirmação " A SIDA não é transmissível através dos mosquitos" ?

Note-se que anemia infecciosa equina é transmitida, desta maneira, aos cavalos através da picada das moscas infectadas.



quarta-feira, 17 de setembro de 2014

A 3ª Guerra Mundial está aí

Nostradamus, nas suas profecias, avisou que no início do século XXI os árabes iriam invadir a Europa, da qual ficarão senhores durante cerca de 40 anos.

É esta a 3ª guerra mundial que está agora no seu início. Todos os grupos radicais de terroristas árabes iniciaram já esta guerra santa (jiahd), facto perfeitamente visível no Médio Oriente, mas com os seus tentáculos já espalhados um pouco por todo o mundo, numa ofensiva que visa acabar com a civilização ocidental e exterminar os "infiéis", impondo o fundamentalismo islâmico.

Para esta gente a vida humana não tem qualquer valor. As atrocidades são de um horror indescritível, inumanas. Desde a 2ª guerra mundial que o mundo não via nada semelhante.

A passividade dos países "livres" e "civilizados" perante esta ameaça é assustadora e só agora parecem ter dado conta do que se prepara, mas, mesmo assim, com reacções tímidas, face ao perigo eminente.

Os vídeos abaixo dão uma ideia sobre a forma como se têm organizado estes exércitos, quem os financia e quais os objectivos. (Atenção porque têm imagens muito fortes, principalmente o 2º)



domingo, 30 de março de 2014

Quem diz a verdade não merece castigo !

No Estado Novo (1926/1974), o lema de Salazar e companhia era "Deus, Pátria e Família"

Na democracia de Passos Coelho e companhia apenas se acrescentou uma letra ao lema: 

"Adeus, Pátria e Família".

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

O QUE POUCA GENTE SABE SOBRE OS TELEFONEMAS DOS BANCOS E ENTIDADES FINANCEIRAS


O QUE POUCA GENTE SABE SOBRE OS TELEFONEMAS DOS BANCOS E ENTIDADES FINANCEIRAS

A maior parte dos portugueses já os conhecem bem. Os papagaios dessas entidades que têm como missão contactar telefonicamente os clientes com pagamentos em atraso utilizando ameaças veladas, interrogatórios sobre a vida privada e reprimendas do tipo "professor da escola primária", entre outros abusos e muitas vezes insultos, e que informam, invariavelmente, que a chamada está a ser gravada, estão a cometer um crime, punido pela legislação portuguesa: gravação ilícita de chamada.

A Lei permite a gravação de chamadas desde seja efectuada no âmbito de uma relação contratual, sempre que o cliente tenha sido informado e tenha consentido previamente, de forma expressa e inequívoca.

Isto significa que o consentimento tem de ser expresso quando a informação respectiva consta em cláusulas contratuais que sejam destacadas, separadas, autonomizadas no respectivo contrato.

Na generalidade dos contratos com estas entidades, os clientes assinaram um documento em que autorizam a empresa a gravar as chamadas efectuadas no âmbito de questões decorrentes do respectivo vínculo contratual.
No entanto esta autorização funciona apenas quando o contacto seja da iniciativa do cliente e nunca quando o contacto seja iniciado pela entidade financeira - nestes casos o trabalhador da empresa deverá informar o cliente que pretende proceder à gravação da chamada, e este tem de ser informado, de forma clara e transparente, da identificação da entidade que os vai tratar, da finalidade a que se destinam, a que terceiros podem ser eventualmente comunicados, quais os dados que devem obrigatoriamente ser recolhidos, quais os facultativos e de que forma pode vir exercer os direitos de acesso e rectificação ou eliminação relativamente aos elementos fornecidos, solicitando o consentimento para a gravação. Este consentimento tem de ser tem inequivocamente expresso e sem ele a gravação da chamada é ilegal.

Quer isto dizer que sempre que exista um contacto por iniciativa de uma entidade financeira com um cliente, este tem a liberdade de autorizar ou não autorizar a gravação da chamada. Como é evidente, caso não autorize, esta não poderá, sob pretexto nenhum, ser gravada. (O Código Penal tipifica, no seu artigo 199º, n°1, alíneas a) e b), como crime, a conduta de quem, sem consentimento gravar palavras proferidas, mesmo que lhe sejam dirigidas ou utilizar ou permitir que se utilizem as gravações mesmo que licitamente produzidas.)

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

As Canalhíadas


AS CANALHÍADAS
I

As sarnas de barões todos inchados
Eleitos pela plebe lusitana
Que agora se encontram instalados
Fazendo o que lhes dá na real gana
Nos seus poleiros bem engalanados,
Mais do que permite a decência humana,
Olvidam-se do quanto proclamaram
Em campanhas com que nos enganaram!

II

E também as jogadas habilidosas
Daqueles tais que foram dilatando
Contas bancárias ignominiosas,
Do Minho ao Algarve tudo devastando,
Guardam para si as coisas valiosas
Desprezam quem de fome vai chorando!
Gritando levarei, se tiver arte,
Esta falta de vergonha a toda a parte!

III

Falem da crise grega todo o ano!
E das aflições que à Europa deram;
Calem-se aqueles que por engano
Votaram no refugo que elegeram!
Que a mim mete-me nojo o peito ufano
De crápulas que só enriqueceram
Com a prática de trafulhice tanta
Que andarem à solta só me espanta.

IV

E vós, ninfas do Coura onde eu nado
Por quem sempre senti carinho ardente
Não me deixeis agora abandonado
E concedei engenho à minha mente,
De modo a que possa, convosco ao lado,
Desmascarar de forma eloquente
Aqueles que já têm no seu gene
A besta horrível do poder perene!


Luíz Vaz Sem Tostões

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

José Cheta "Partindo-se"

Nascido em 23 de Janeiro de 1945, José Cheta da Silva, mais conhecido como o cantor José Cheta, formou, no Algarve, os Black Gold, na década de 60.

Em 1970 gravou o EP "Para Lá Daqueles Montes", o seu primeiro disco, no qual contou com a colaboração de José Cid e do Quarteto 1111 e, no disco seguinte, também com a colaboração de José Cid e do Quarteto 1111, este integra a canção "Partindo-se", uma das mais belas de José Cheta.



PARTINDO-SE
Senhor, partem tão tristes
Meu olhos por vós, meu bem!
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém!
Partem tão tristes, os tristes,
Tão tristes e tão saudosos!
Tão doentes da partida,
Tão cansados e tão chorosos!
Da morte mais desejosos,
Cem mil vezes que da vida!
Partem tão tristes, os tristes,
Tão fora de esperar bem!
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém!

sábado, 4 de janeiro de 2014

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

O Ponto G nas mulheres



O ponto G nas mulheres é nas orelhas.

Diz-lhe o que querem ouvir e tens tudo !