quinta-feira, 12 de novembro de 2009

DEFICIÊNCIAS







DEFICIÊNCIAS
Mário Quintana




'Deficiente' é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

'Louco' é quem não procura ser feliz com o que possui.

'Cego' é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

'Surdo' é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

'Mudo' é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

'Paralítico' é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

'Diabético' é quem não consegue ser doce.

'Anão' é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

' A amizade é um amor que nunca morre '

sábado, 26 de setembro de 2009

Precisa-se de matéria prima para construir um País

Eduardo Prado Coelho - in Público

A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.

Agora dizemos que Sócrates não serve.

E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.

Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.

O problema está em nós. Nós como povo.

Nós como matéria prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro.

Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais


poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal
E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país:

-Onde a falta de pontualidade é um hábito;

-Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.

-Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos.

-Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.

-Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é 'muito chato ter que ler') e não há consciência nem memória política, histórica nem económica.

-Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser 'compradas', sem se fazer qualquer exame.

-Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.

-Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.

-Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.

Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.

Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.

Não. Não. Não. Já basta.

Como 'matéria prima' de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.

Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTICE PORTUGUESA' congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS . Nascidos aqui, não noutra parte...

Fico triste.

Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.

E não poderá fazer nada...

Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.

Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa ?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror ?

Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... igualmente abusados !

É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...

Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias.

Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer.

Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:

Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e, francamente, somos tolerantes com o fracasso.

É a indústria da desculpa e da estupidez.

Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir) que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO .

AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.

E você, o que pensa ?... MEDITE !

EDUARDO PRADO COELHO

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

PINK FLOYD - Wish You Were Here - live


So, so you think you can tell
Heaven from Hell,
Blue skys from pain.
Can you tell a green field
From a cold steel rail?
A smile from a veil?
Do you think you can tell?
And did they get you to trade
Your heros for ghosts?
Hot ashes for trees?
Hot air for a cool breeze?
Cold comfort for change?
And did you exchange
A walk on part in the war
For a lead role in a cage?
How I wish, how I wish you were here.
We're just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found?
The same old fears.
Wish you were here

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

OS IDIOTAS DAS VIAS DA ESQUERDA

Todos os que conduzem os conhecem bem.

São os idiotas inconscientes que circulam pela faixa da esquerda ou pela faixa do meio nas auto-estradas, ou na faixa da esquerda nas restantes vias quando têm a da direita completamente livre.

A circulação na Ponte Vasco da Gama é um exemplo constante do grande número de “animalóides” que circulam em marcha lenta sem ser na via da direita. Se alguém lhe faz um sinal de luzes ou de qualquer forma lhes chama a atenção para o erro, entram em completa histeria. Gesticulam, berram, saltam, cospem, impertigam-se e, muitas vezes, toca a acelerar para evitar a ultrapassagem.

Por vezes a via da direita está completamente deserta, enquanto as outras se encontram completamente lotadas, basicamente destes idiotas, mas também de outros condutores que esperam uma oportunidade para ultrapassar.

O mais assustador no comportamento destas verdadeiras bestas ao volante é o facto de estarem convencidos de que têm toda a razão, desconhecendo que a sua atitude é punida por Lei, e, por outro lado, não terem consciência de que desta forma estão a contribuir para o aumento dos riscos de acidente, tanto dos outros como deles próprios.

Curiosamente, quando se pensa que os idiotas sejam maioritariamente pessoas já de alguma idade, a verdade é que fazem parte da manada tanto velhos e velhas como novos e novas, do velhote de Mercedes ou do Audi ao jovem do Seat Leon, de brinco no orelhame, passando pelos veículos comerciais, de empresas, do estado, táxis e tudo o mais.

Deixo a seguir uma reportagem publicada pela RTP1 sobre esta praga.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Jason Mraz - I'm Yours (live)

Senta-te descansado e abre uma cerveja !!!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

DON CORLEONE - "O Padrinho"

PROJECTOS DIFERIDOS


Actores: "Juvelino" Filipe Correia Pedro Santos


Edição: Andreia "Lua" Ferreira


Pós-Produção: Filipe Correia



quarta-feira, 1 de julho de 2009

FOTOS TIRADAS DENTRO DO AIRBUS DA AIR FRANCE QUE SE DESPENHOU?

Estas imagens foram supostamente tiradas dentro do Airbus A 330 da Air France que se despenhou, por um dos passageiros, Paulo G. Muller, segundos antes do avião se desfazer no mar, e estavam numa máquina fotográfica encontrada, da qual foi possível recuperar o cartão de memória.

Falso ou verdadeiro, brincadeira de mau gosto ou os verdadeiros últimos instantes de quem viajava no avião, não sabemos, mas pelo interesse e curiosidade das mesmas, aqui ficam.
Mais abaixo pode ler-se o texto original em inglês, que acompanha as fotos.
Que cada um tire as suas conclusões.


Feel so sad for all the passengers including the extraordinary photographer, who kept his cool even in the last moments of his own life and took these photos. The world saw the disappearance of an Air France aircraft during a transAtlantic flight between Rio to Paris. Two shots taken inside the plane before it crashed.

Unbelievable photos taken inside the aircraft that was involved in the crash.....The two photos were apparently taken by one of the passengers in the aircraft, just after the collision and before the aircraft crashed.

The photos were retrieved from the camera's memory stick. You will never get tosee photos like this. In the first photo, there is a gaping hole in thefuselage through which you can see the tail plane and vertical fin of the aircraft. In the second photo, one of the passengers is being sucked out of the gaping hole.

These photos were found in a digital Casio Z750, amidst the remains in Serrado Cachimbo. Although the camera was destroyed, the Memory Stick was recovered. Investigating the serial number of the camera, the owner was identified as Paulo G. Muller, an actor of a theatre for children known inthe outskirts of Porto Alegre. It can be imagined that he was standing during the turbulence, he managed to take these photos, just seconds afterthe tail loss the aircraft plunged. So the camera was found. The structural stress probably ripped the engines away, diminishing the falling speed, protecting the electronic equipment but not unfortunately the victims. Paulo Muller leaves behind two daughters, Bruna and Beatriz.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

SMOKE ON THE WATER - DEEP PURPLE - LIVE

Ian Gillan - voz, Ritchie Blackmore - guitarra, Jon Lord - teclas, Roger Glover - baixo e Ian Paice na bateria são os Deep Purple, banda de hard rock que se formou em Inglaterra no ano de 1968, na mesma altura dos Led Zeppelin, Uriah Heep, Grand Funk e outras.

"Smoke on The Water" foi gravado em 1972 e é um dos seus temas mais populares.

terça-feira, 23 de junho de 2009

A TRAGÉDIA DO AIRBUS A 330 DA AIR FRANCE


O TRÁGICO VÔO 447 DA AIR FRANCE NO ATLÂNTICO

Texto de Manoel Jorge Pahim Dias, Comandante reformado da VARIG.

Foto: EFE / Marinha do Brasil

A minha opinião é, no mínimo, pragmática. Aproveitando o "gancho" de opiniões abalizadas de colegas da aviação, temos que encarar, e assumir, que há uma linha de aeronaves ditas de "última geração" que deverá passar por sérias e urgentes reformulações no projeto, a exemplo do que ocorreu com o Comet (que explodia no ar devido ao perfil angular das janelas); o Electra (explodia em vôo devido à rebitagem que não resistia à vibração das hélices); o Trident e o Boeing 727, que tinham deep stall (estol profundo - Redução da velocidade relativa ao ar, de um avião ou de um aeromodelo, a ponto de o fazer cair, por ser o seu peso maior que a força de sustentação das asas; perda (Aurélio); o "Zarapa", que teve que implantar a quilha porque não saia do parafuso; o Bandeirante que teve reestruturado por completo o sistema de compensador do profundor, porque a ‘cauda saia’ em vôo, etc. A linha recente da Airbus, em várias condições de vôo, sobrepuja, e por vezes chega até a anular qualquer ação de comando proveniente da cabine, o que não deixa de ser um absurdo. Cito um exemplo: uma manobra evasiva anti-colisão será limitada pela não-aceitação de comando brusco. Pelo mesmo viés, o fato dos comandos de vôo serem fly-by-wire (comando por fio elétrico), totalmente potenciados eletricamente sem qualquer back-up (comando mecânico paralelo) que não seja o elétrico, significa necessariamente que a perda total de energia elétrica redunda inexoravelmente na perda total de atuação nos comandos de vôo! Um exemplo recente ocorreu com o Swissair FLT 111 em 1998, que se estatelou sobre o mar sem qualquer tipo de orientação e comando. Até hoje não há uma conclusão definitiva sobre a ocorrência da superposição do comando proveniente do computador de bordo x comando de cabine no acidente com o avião da TAM em Congonhas. Mesmo que se dê razão ao ilustre investigador que afirmou que o recuo das manetes tem que ser total, ao ponto de uma folga de 2 mm simbolizar que o piloto quer arremeter é de um absurdo paralisante, característica de quem não sabe para o que serve um "curso de manete". Mas esse acidente foi o 5° em circunstâncias idênticas. Várias operadoras, após esse acidente, passaram a incluir no treinamento de simulador o corte do motor quando tal fenômeno vier a ocorrer, ou seja, há um reconhecimento tácito de que o projeto é falho e temerário.

Fotografia do avião que viria a desaparecer (Air France matrícula F GZCP)

Mas, voltando à nova geração AIRBUS, é bom lembrar que durante o vôo de demonstração inaugural em Fairbourough, Inglaterra, a aeronave entrou voando sobre as árvores porque os computadores de bordo não aceitaram o comando dos pilotos. Mais cinco acidentes idênticos ocorreram após esse. Dois incidentes de brusca variação de atitude sem comando da cabine ocorreram no ano passado com um Airbus A330 na Austrália e mais um na Nova Zelândia. Hoje, 04/06/09, já estamos vendo as primeiras manifestações "plantadas" pelo interesse do fabricante, no sentido de sutilmente colocar na opinião pública a idéia de que os pilotos incorreram em erro ao adentrar em turbulência com velocidade inadequada. Nada mais patético! Qualquer piloto sabe qual a velocidade de penetração em turbulência, quanto mais os colegas de vôo internacional de uma empresa como a AIR FRANCE! Mesmo que você seja apanhado de surpresa, o ajuste é rápido: motor no "esbarro" para pouca velocidade; speed-brake (baixar a velocidade) e power off (cortar o motor) para velocidade alta. Em segundos, você se acerta, não é mesmo? A propósito, quando saímos para um vôo, levamos conosco o folder contendo todas as informações necessárias, incluindo a surface prog e wind aloft prog, ou seja, ninguém vai voar sem saber o que tem pela frente. Seguramente, não pode ter sido diferente com os colegas franceses. Portanto, a pífia imputação de desconhecimento das condições meteorológicas da rota também não pode prosperar. O AF 447 emitiu quatro wakes (alarmes) antes da queda, com coincidentes quatro minutos de intervalo um do outro: o primeiro reportando falha elétrica no sistema principal; o segundo reportando a atuação do sistema stand-by (de sobreaviso) operando com restrição nos comandos de vôo (spoilers - aletas escamoteáveis nas asas, yaw damper - aletas de guinada, etc.); o terceiro informando a perda do sistema de navegação lateral e vertical e, finalmente, o quarto: o mergulho na vertical com despressurização (o que é previsível, pois não há sistema que aguente descida no cone "sustentação zero").

Imagem do interior de um Airbus A 330 (Cabine de passageiros)

Diante disso, conclui-se que o ocorrido em tudo se assemelha ao acidente com o SWISSAIR, no qual a aerovane ficou totalmente desgovernada, sem qualquer tipo de orientação, E SEM QUALQUER TIPO DE COMANDO NA CABINE, INCLUINDO O DE POTÊNCIA. Estamos diante, MAIS UMA VEZ, de um avião que foi projetado por engenheiros, que se dizem perfeitos e que acham que pilotos só servem para atrapalhar... Estou de pleno acordo.... Desde que eles mesmos voem essa máquina, levando a bordo outros tantos de sua equipe, de preferência, todos eles!
A pergunta que fica: até quando vamos aceitar com passividade voar aviões como esses? Associações e sindicatos não devem temer o poder econômico, principalmente quando há vidas humanas envolvidas.

A quem possa interessar, é como eu penso!
Manoel Jorge Pahim Dias

_________________________________________________


Veja aqui a evolução da tragédia

Veja aqui os nomes dos 206 passageiros do voo 447

domingo, 24 de maio de 2009

O ACIDENTE DE MBUZINI (A morte de Samora Machel)

por Luís Brito Dias *1



*2 Sérgio Vieira Ordenou aos Pilotos da LAM que se "Mantivessem Calados"
Li com muita atenção as declarações do Sr. Sérgio Vieira a respeito do desastre de Mbuzini (jornal O País, 15 de Agosto de 2008), assunto que me interessa sobremaneira, pois trabalhei em Moçambique como piloto da DETA /LAM durante 17 anos. Presentemente trabalho no Extremo Oriente como comandante de uma transportadora aérea, pilotando aviões do tipo Boeing 747-400. É evidente que o Sr. Sérgio Vieira mente descaradamente pois ele era na altura do acidente o Ministro da Segurança, portanto com responsabilidade no que veio a acontecer. Samora teve uma morte inglória e claro que ele também foi o responsável pelo que aconteceu pois entregou a sua própria vida nas mãos de pilotos que revelaram desleixo, negligência e incúria. Todos os pilotos que voavam na LAM na altura sabem perfeitamente que o acidente de Mbuzini deveu-se a negligência e incúria por parte da tripulação técnica. Aliás, após o acidente, o Sr. Sérgio Vieira fez chegar aos pilotos da LAM a mensagem, tipo ameaça bem clara, para se manterem calados e não abrirem a boca. Foi por essa razão que nenhum Comandante foi nomeado para fazer parte da comissão de inquérito. O único que foi nomeado foi um co-piloto da LAM, que tinha sido da Força Aérea e era membro do Partido Frelimo, e por isso facilmente controlável. Este co-piloto começou a ver a nojeira que era a Comissão de Inquérito e arranjou maneira de se baldar rapidamente pois em consciência não podia participar na deturpação da verdade. Os pilotos soviéticos além de terem pouca experiência, voavam muito pouco e as licenças de voo que foram apresentadas no inquérito são falsas. Foram emitidas posteriormente.
Na altura eu era co-piloto do DC-10 da LAM, e num voo de Lisboa para Maputo, juntamente com o Comandante, demonstrámos a Mariano Matsinhe e a outro ministro da Frelimo que seguiam a bordo, o que realmente tinha acontecido. Eles foram nossos convidados no cockpit. Até fizemos a viragem ou mudança de rumo inicial, bem como a manipulação errada dos selectores de instrumentos de navegação para lhes mostrar o que se passara na noite no desastre de Mbuzini. Para além de não trazerem combustível de reserva o que aconteceu foi que dos 5 tripulantes no cockpit, 3 estavam entretidos a dividir e a tomar os restos das bebidas alcoólicas que iriam sobejar até 6 minutos antes do impacto final. Só o co-piloto e o navegador é que estavam a tomar "conta" do voo. Tudo isto está registado na transcrição do CVR (Cockpit Voice Recorder).
O Comandante só se apercebeu que estavam perdidos 3 minutos antes do impacto final. A desorientação era tal que nem ligaram nenhuma ao aviso sonoro (GPWS) que o avião ia bater no chão sem estar na configuração de aterragem. Quebraram muitas regras básicas de "ouro" da aviação, mas a mais importante foi terem chegado à "Altitude de Segurança", publicada para Maputo, que é de 3 000 pés, e continuarem a descer sem terem contacto visual com o solo ou, em alternativa, indicação electrónica correcta dos equipamentos de navegação de Maputo. Neste caso, o ILS ou o VOR de Maputo.

Tupolev 134 - o avião presidencial destruído no acidente

O que sucedeu foi que eles em vez de seleccionarem o ILS de Maputo (110.3) enganaram-se e seleccionaram o VOR de Matsapa (112.3) e desviaram-se de rota para a Radial 045 de Matsapa em vez de estarem na Radial 045 do VOR de Maputo. O navegador do Tupolev enganou-se, pois no sistema russo quem selecciona as rádio-ajudas são os navegadores e não os pilotos. Ele já vinha com o VOR de Maputo seleccionado (112.7), mas ao mudar de frequência para o ILS de Maputo (110.3) que é uma rádio-ajuda de aproximação à pista e não de navegação em rota, cometeu o erro fatal. Os selectores dos dígitos decimais são independentes dos dígitos das centenas. Ou seja, primeiro teria que mudar de 112 para 110 e depois de 0.7 para 0.3 com um selector independente. O que aconteceu foi que ele deixou ficar o 112 e só alterou de 0.7 para 0.3 o que veio a coincidir com a frequência do VOR de Matsapa. Foi esta manipulação errada de sistemas que levou a tripulação a fazer uma viragem de rota. Como estavam "distraídos" no cockpit não houve ninguém que verificasse as manipulações dos selectores de frequência. Uma das regras básicas é que sempre que se muda qualquer coisa no cockpit essa acção tem que ser verificada e aceite pelo outro piloto.

Nada disso foi feito. Estas foram as causas imediatas do acidente, mas houve outros factores que também contribuíram, tais como a fadiga da tripulação, a falta de combustível, a inactividade prolongada da tripulação, a falta de verificações de simulador de voo, etc. Um acidente de aviação nunca acontece por si só. É sempre um acumular de eventos que vão culminar num fim trágico. Não querendo ser arrogante, mas a minha experiência de 31 anos de aviação bem como a participação em inquéritos de acidentes aeronáuticos deixam-me perfeitamente à vontade para falar destas situações.

Depois de tantos anos de poder do ANC na África do Sul, e apesar de muita investigação por parte das novas autoridades sul-africanas, quer a nível da Comissão da Verdade e da Reconciliação, quer a nível da polícia mandatada pelo Presidente Thabo Mbeki há mais de dois anos, não foi encontrado qualquer vestígio de tentativa de interferência no voo por parte das autoridades sul-africanas do anterior regime. As teorias conspiracionistas voltaram-se então para supostos mentores internos, o que é muito duvidoso e sem cabimento. Os factos falam por si...
Notícia original em: ZAMBEZE - Maputo, 28 de AGOSTO de 2008 pag. 2


Em declarações posteriores à publicação do seu artigo, o Comandante Luís Brito Dias referiu que "a primeira indicação para nos mantermos calados foi dada verbalmente pelo então director das LAM, que nos avisou claramente de onde vinham as instruções.” Luís Dias acrescenta que “a outra vez foi numa discussão privada com uma pessoa muito chegada a Sérgio Vieira que até nos disse, num tom ainda mais ameaçador, que se nós (pilotos da LAM ) continuássemos a falar, acabaríamos presos." O Comandante Dias refere que "nessa conversa até estavam presentes outros dois pilotos da LAM que ficaram estupefactos com o tom da ameaça."
Houve ainda uma outra ameaça nesse sentido, vinda de um dos membros da Comissão de Inquérito moçambicana", acrescentou a fonte.
Avisos idênticos foram transmitidos a todo o pessoal do Aeroporto de Maputo e da Aeronáutica Civil. Os primeiros indícios da mão pesada da segurança moçambicana, após o acidente de Mbuzini, reflectiram-se na Torre de Controlo do Aeroporto, em que o controlador de tráfego aéreo de serviço na noite do acidente viria a ser detido. Igualmente presos pelo Snasp foram funcionários ligados à área da meteorologia por terem contactado o Aeroporto Internacional de Joanesburgo para uma actualização do estado do tempo. O pedido a Joanesburgo foi feito depois do Comandante Sá Marques, do voo TM103 da LAM, vindo da Beira, ter informado a Torre de Controlo de Maputo de que não poderia continuar por mais tempo em espera e que uma alternativa seria desviar o seu voo para a capita sul-africana uma vez que não era possível aterrar em Maputo. O voo TM103 acabou por ser desviado para a Beira no meio de grande pandemónio no interior da Torre de Controlo do Aeroporto de Maputo em que agentes do Ministério da Segurança ficaram alarmados por se ter dado a conhecer à África do Sul que algo de anormal se estava a passar.

*1 Luís Brito Dias é ex-piloto da DETA/LAM. Presentemente é comandante de aeronaves B-747 400 ao serviço duma transportadora do Extremo Oriente


*2 Sérgio Vieira é irmão do conhecido José Luis Castelo Branco
Local de nascimento -Tete (centro de Moçambique)
Estado civil - casado Filhos - quatro
Formação académica - licenciado em Ciências Políticas na Universidade de Argel (Argélia), em 1967; estudou Direito na Fa­culdade de Direito de Lisboa entre 1959 e 61; estudou Direito na Universidade de Paris entre 1961 e 63; fez estudos políticos no Colege d'Europe (Bélgica) em 1962.
Actividades políticas e profissionais - antigo comba­tente na luta de libertação de Moçambique; director do gabine­te do Presidente Samora Machel (1975/77); governador do Ban­co de Moçambique (1978/81); ministro da Agricultura (1982/83); governador do Niassa (1983/84); vice-ministro da Defesa (1983/84); ministro da Segurança (1984/87); professor na Universidade Eduardo Mondlane (desde 1987); director do Gabinete de Estudos Africanos (1987/92); escritor; consultor em Ciências Sociais; investigador científico do Centro de Es­tudos Africanos da UEM; membro da Organização Nacional de Professores; Organização da Juventude Moçambicana; Asso­ciação de Escritores Moçambicanos; director do Projecto do Vale de Zambeze (desde 2001); membro do Comité Central da Frelimo; deputado nas legislaturas 94/99 pelo círculo eleitoral do Tete pela bancada da Frelimo; deputado; mem­bro da comissão permanente da Assembleia da República; coronel na reserva.

terça-feira, 19 de maio de 2009

domingo, 10 de maio de 2009

HUMANOCRACIA - O VISIONÁRIO

João Correia
Idade: 29
Ocupação: Revolucionário
"Condidero-me um nómada, um viajante sem destino, sempre na luta pela Igualdade, Justiça e Liberdade"
"A Bem ou a Mal, a guerra entre os seres humanos, em breve, vai chegar ao fim."

video

terça-feira, 5 de maio de 2009

SERÁ QUE...?

Será que temos o “direito” de estarmos tristes ?

Será que não devíamos agradecer tudo o que temos e dar menos valor a insignificâncias ?

video

GRIPE SUÍNA - GRIPE A - GRIPE MEXICANA

Doutor e agregado em Medicina (Microbiologia)

A GRIPE
Provávelmente só porque é fim de semana é que os meus amigos, conhecendo-me como virologista, ainda não me questionaram sobre a gripe "suína". Infelizmente, o termo é errado. No caso da gripe aviária que apareceu há poucos anos, houve infecção de algumas centenas de humanos, mas sem que o vírus pudesse passar desses humanos a outros.

Agora é diferente. De suína, esta gripe só tem a origem. De facto, ela é bem humana. Na história da gripe, o aparecimento das grandes epidemias mundiais (pandemias) foi quase sempre por adaptação ao homem de vírus suínos da gripe. Por isto, as expectativas em relação ao vírus aviário H5N1 (sigla que identifica os dois principais antigénios do vírus, e que definem se temos ou não imunidade contra ele) eram a de, com alguma probabilidade, na situação do Extremo Oriente de grande concentração conjunta de aves, porcos e humanos, o vírus aviário H5N1 passar para o porco e deste para o homem, adquirindo capacidade de transmissão homem a homem.

Afinal, como tantas vezes acontece na emergência de novos vírus, a situação foi surpreendentemente diferente. O que aparece é um novo vírus humano - insisto, humano, transmissível de homem a homem - com origem no porco mas no outro lado do globo, no México. Também não é um H5N1 e por isto, como eu e muitos escrevemos na altura, era tolice investir em vacinas contra um vírus que ninguém sabia o que viria a ser - mas sim um H1N1, desaparecido da história da virologia há quase um século. Foi o tipo de vírus que causou a terrível pandemia de 1918, a espanhola, que matou mais gente na Europa do que a guerra mundial que tinha terminado pouco antes. É certo que tem havido, nos últimos invernos, algumas infecções com H1N1, mas não é o tipo hoje mais vulgar e nada garante que o novo vírus seja neutralizado por vacinação com os últimos H1N1 circulantes.

Hoje, os dados oficiais mexicanos revelam cerca de 1300 infectados com 81 mortes, uma taxa de letalidade já considerável. Também já há casos nos EUA. O que significa isto? Não quero ser alarmista, mas os meus leitores têm o direito ao que de mais objectivo eu, especialista, possa dizer.

Considero uma situação muito preocupante, porque estamos perante condições muito diferentes do que eram as tradicionais na emergência de novas pandemias de gripe. A sua origem não é em zonas rurais da Ásia mas sim numa área metropolitana de 20 milhões de pessoas, em estreito contacto favorecedor de transmissão por via respiratória. Em segundo lugar, os vírus hoje viajam de avião. Finalmente, como disse atrás, trata-se de um tipo de vírus contra o qual há dezenas de anos que não há qualquer resistência imune nem há vacinas rapidamente disponíveis.

Que fazer, em Portugal? Para já, a nível individual, nada. A nível das autoridades de saúde, vigilância, controlo a nível de medicina das viagens, planeamento desde já de condições de hospitalização e isolamento de milhares de possíveis doentes (atenção, vai ser a esta escala, transformando a FIL em hospital). O que faria agora eu, como indivíduo? Obviamente, cancelar qualquer viagem marcada para o México ou para o sul dos EUA. Informar-me junto do meu médico sobre todos os sinais de alerta, os sintomas da gripe, que muita gente confunde com os de uma vulgar constipação. Se começar a haver casos em Portugal, usar máscara, deixar de frequentar locais com muita gente, isolar em casa, como prisioneiros, os nossos pais septuagenários. E, se a religião ajuda, rezar frequentemente.

Mas também ter em conta que o mesmo progresso e actual modo de vida que nos vai trazer o vírus de avião também vai permitir o diagnóstico muito precoce da doença, a produção limitada mas razoável de medicamentos e de vacinas.

P. S. - Já imagino o que vai haver por aí de pânico em relação ao consumo de carne de porco! Mesmo que a gripe fosse suína, não era pela carne que se transmitiria. Mas, como chamei a atenção, "suína" é neste caso uma referência enganosa, tem a ver só com a origem. Quem a vai ter são os humanos, não os pobres suínos

quinta-feira, 23 de abril de 2009

XUTOS E PONTAPÉS - O novo álbum

Editado na segunda-feira da semana passada, o novo álbum dos Xutos & Pontapés, entrou directamente para o primeiro lugar do top nacional por vendas na ordem das cinco mil unidades. O álbum tem sido comentado nos últimos dias pelo facto de conter uma canção, “Sem eira nem beira”, com uma letra que tem sido transformada num manifesto crítico ao primeiro-ministro José Sócrates. (PUBLICO on line 15.04.2009 - 17h00)


quarta-feira, 22 de abril de 2009

The Stranglers

Banda inglesa formada em 1974, The Stranglers, cujo nome original foi “The Guildford Stranglers”, é formada pelo baterista Jet Black (nome real Brian Duffy, o fundador da banda), Jean Jacques Burnel (guitarra baixo e voz), Hugh Cornwell (guitarra e voz) e Hans Warmling (teclas e guitarra), depois substituído por Dave Greenfield.
Conhecidos pelo seu humor bizarro, letras polémicas e pelas posições machistas, The Stranglers continuam no activo, tendo publicado o seu último trabalho em 2006 (Suite XVI).
Para rever Golden Brown, no clip de vídeo.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

A sabedoria de Eça de Queirós

Em 1879, Eça redige de um fôlego "O Conde d'Abranhos", que apenas seria postumamente publicado (1925) e que constitui a sua mais contundente crítica romanceada da intriga política constitucional. (O editor chegou a propor que se publicasse sem indicação de autoria.) É o romance que mais directamente corresponde à crítica institucional das primeiras 'Farpas': concentra de um modo particularmente sarcástico um conjunto de traços satíricos que, diversamente doseados, se distribuirão noutras obras por vários figurantes do carreirismo político ou burocrático.» (A. J. Saraiva e Óscar Lopes, em " História da Literatura Portuguesa")

Embora este não seja um romance convencional, a sua leitura é sempre aconselhável pela sua actualidade constante.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

O SACO AZUL

por Luísa Ramos

O saco azul continha uma lufada de ar fresco. Daniel passava com ele pela várzea, julgando que levava lá dentro milho para as mais de setenta galinhas pertença da capoeira de sua mãe, mas era falso. O que ele transportava era aquele pó branco, mortífero que o Dr. Sócrates, o médico da aldeia lhe pedira que levasse até ao alçapão da quinta.
Daniel transpôs a cerca eram precisamente 19 horas. A tarde era de um Agosto quente e o rapaz sentia-se em simbiose com a natureza: feliz, radiante talvez, por ter sido capaz de trazer até ali, aquele saco azul com tanta comida para muitos dias. Agora na sua capoeira - e por graça do senhor doutor - as aves não teriam mais fome, pensava extasiado! Entrou no alpendre fronteiriço à casa e percebeu que estava só, porque as janelas estavam encerradas e as duas portas de acesso ao interior tinham o ferrolho passado.
Semi preocupado, clamou pela mãe que não o atendeu, e com aquele terror próprio do receio foi devagar até ao sótão, pois urgia colocar lá o que trouxera de véspera da cidade grande. A entrada naquele quase labirinto foi feliz, porque como estava tudo limpo, à imagem da alma de sua mãe, rápida foi a abertura do saco; todavia o espanto de Daniel não poderia ter sido maior, quando constatou, que o milho estaria só nos seus sonhos e nos seus pensamentos de homem bucólico, ingénuo e simples, e que aquele senhor se atrevera a gozá-lo, ofertando-lhe farinha que, nenhuma falta já fazia, agora que os fritos de Natal já haviam passado.

Preocupado, Daniel tirava com jeito os sacos pequenos para não entornar o produto, quando foi surpreendido por uma voz forte, grossa, feroz «... larga bandido... polícia... estás detido.» A perplexão foi rainha e o terror tomou conta de si.
Desesperado gritava que não havia roubado a farinha, que havia sido um doutor, um senhor rico da aldeia a pedir-lhe que a fosse buscar à cidade grande, dizendo que depois fariam a distribuição pela sua casa e a dele.
Daniel não conseguia explicar-se mais, porquanto a pressão policial era muita. O grito de DROGA suou plangente, e Daniel em vez de vender a alma à justiça dos homens, jogou de mãos a uma forquilha e espetando-a no peito disse a todos, que ia dar de beber ao irmão mais novo, ao Selmo que estava no céu há menos de seis meses, e que lhe pedira tanto aquele copo de água que ele nunca consegui dar.
Agora dar-lhe-ia uma gota de vida e juntos visionariam o mundo onde só os poderosos têm força e são agraciados.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Portugal - Eleições Legislativas em 2009 (2)

Mais algumas "mensagens eleitorais" curiosas que por aí circulam...


quarta-feira, 4 de março de 2009

Portugal - Eleições Legislativas em 2009

2009 é um ano de Eleições Legislativas, e o descontentamento de vários grupos sociais faz com que várias "mensagens eleitorais" circulem pela Net. Muitas delas fazem-nos pensar! Aqui ficam algumas dessas curiosidades:






sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

CP - REVISORES APRENDEM JUDO


A Administração da CP decidiu incluir noções básicas de defesa pessoal (judo), no âmbito de um plano de formação para revisores. O objectivo é ter profissionais preparados para situações de tensão e conflito, particularmente nas linhas urbanas, onde a violência faz parte do dia a dia dos revisores.

Adivinham-se emocionantes combates a bordo dos comboios, sempre que passageiros reajam com violência quando interpelados na sequência de situações irregulares.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

CITROEN PICASSO / PNEUS MICHELIN

A1, sentido norte sul, na zona de Aveiro. Citroen Picasso 2000 HDI, duas pessoas a bordo, velocidade 150 km/h. Pneus Michelin com 40.000 km feitos. Um estouro, pé fora do acelerador, sem tocar no travão e levar a viatura para a berma.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

A PAZ PELA MÚSICA

Stand by me, o tema aqui tocado por músicos de rua de todo o mundo, faz parte do documentário "Playing for Change", que recebeu vários prémios.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

YES, WE CAN

Tudo acontece ao nosso primeiro ministro José Sócrates. Desde a acusação da licenciatura martelada, de projectos assinados de moradias que se assemelham a casas de um qualquer bairro social do terceiro mundo, de falsas ou trocadas declarações na biografia entregue na Assembleia da República, até às luvas e tráfico de influências no licenciamento do Freeport, caso parido em 2005, ano de eleições, e renascido com novo vigor neste Inverno de 2009, curiosamente também ano de eleições, tudo lhe cai em cima, aumentado-lhe o fardo, já de si bem pesado, que é governar este país complicado.
Lá diz o povo que não há fumo sem fogo e Portugal também não precisa de um primeiro ministro tão azarado. Está na altura certa de arranjarmos um primeiro ministro que atraia mais sorte, não só para ele como para o país.

YES, WE CAN

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

TIPOS DE APERTO DE MÃO

O aperto de mão dos dias de hoje não é nada mais nada menos que uma sintetização do abraço, socialmente aceite, resultado de uma evolução, e que é hoje utilizada como cumprimento, aceitação, apresentação, garantia, pacto, acordo, etc.

Mas este gesto simples e tantas vezes repetido no nosso dia a dia pode mostrar, pela forma como é utilizado, a verdadeira personalidade dos intervenientes, sem grandes margens para erro.


Aperto de mão firme e forte: característico das pessoas equilibradas, realizadoras, diplomáticas, com uma boa saúde física e mental, que gostam de fazer amizades, e praticamente sem quaisquer complexos ou traumas.

Mãos húmidas, suadas e/ou pegajosas: pessoas medrosas e fracas, mental e financeiramente dependentes de terceiros, indecisas e muito pouco confiantes. Tenhamos no entanto em atenção que há alguns distúrbios orgânicos que podem causar estes sintomas.

Aperto de mão exageradamente forte: São pessoas que gostam de ser o palco das atenções, com um grande espírito e empenho competitivo, mas muito menos seguras de si do que pretendem aparentar e com uma grande necessidade (e vontade) de impressionar os outros.

Aperto de mão forte mas rápido: Pessoas sempre apressadas, para quem o tempo é muito importante. São impacientes e parecem ter sempre que fazer. Para eles as conversas têm de ser sempre muito abreviadas, pois não querem ouvir muito destalhes. São apreciadores da tecnologia, egocêntricos, nervosos e distraídos.

Aperto de mão mole: Normalmente indica uma grande dose de feminilidade (nos homens). São pessoas muito preguiçosas, comodistas e desligadas, a quem a vida não exige muito esforço.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

A estupidez ao quadrado !!! (2)

Voltando ao assunto dos "coisos" que estacionam o pópó em frente a lugares de estacionamento vagos, trago agora uma nova categoria.
Como se pode ver pelas fotos, este "coiso" não faz parte nem dos "espertos" nem dos iluminados" - trata-se, aparentemente de uma nova espécie - "os marretas" - é daqueles que não estaciona no lugar de estacionamento porque não consegue, não sabe estacionar neste tipo de espaços, tem medo de bater...
Não vejo outra razão possível! Porque não quero acreditar que seja um "vaidoso", que tem tanto orgulho no seu pópó que gosta de o parar em posição destacada dos outros...